Embora o couro seja considerado um dos fetiches mais básicos no meio BDSM eu particularmente considero um dos fetiches mais nobres... Todavia, há que se reconhecer o seguinte: O fetiche por leather é caro... Extremamente caro!...  Mas o bom é que as peças deste material quando bem conservadas, duram anos. 

Embora hoje o fetichismo – prática em que objetos e peças relativas à figura feminina, como sapatos e espartilhos, são mais valorizados do que o ato sexual em si, chegando a ser cultuados – seja considerado uma espécie de subcultura no Ocidente, nem sempre foi assim.

 Décadas anteriores a preferência era tratada como uma espécie de patologia sexual e mantida no submundo até a década de 60, quando as pessoas, embaladas pela liberação sexual, começaram a reavaliar os comportamentos sexuais.

Dessa forma, nos anos 60 e 70, o couro, que era visto como um componente de transgressão e utilizado por ícones como Marlon Brando e James Dean, eram primeiramente usados para manterem suas famas e suas auras de malditos e de bad-Boys que as mulheres estavam aprendendo amar e a idolatrar; porém logo o couro foi adotado por outros grupos... Os primeiros são os artistas de rock, seguidos pelos punk’s e adoradores do heavy metal, sem esquecer lendas do pop como Lou Reed, eternamente associado à vestimenta.

Durante essa década o couro passou para outro estágio na sociedade... E nessa época o exemplo masculino mais notável de como o couro pode ser considerado um símbolo sexual sem dúvida é Marlon Brando no filme’ O Selvagem’ (1957) que elevou a jaqueta de couro a um ícone cool... Dez entre dez homens desejaram aquela jaqueta... Uma perguntinha básica? Meninas, vocês iam querer andar na moto desse cara?... Eu daria os dois dentes da frente por isso... rsss

marlon


Paralelamente, a cultura “leather” foi imediatamente associada às comunidades gays masculinas, embora também esteja ligada às práticas de BDSM.

Quando pensamos em couro, imediatamente relacionamos a imagem de uma Dominatrix, a Rainha sádica, vestida dos pés a cabeça, além dos acessórios, inteiramente de couro... Ao mesmo tempo pensamos nos pobres e gostosos rapazes, ajoelhados e dominados pela rainha perversa, com calças, coletes e coleiras do mesmo couro.

Essa imagem do sexo mais “dolorido” ligado a vestimentas de couro é tão forte que pessoas fãs de sadomasoquismo utilizam essas roupas o tempo todo e exploram essa estética para realização dessas fantasias.

Isso significa que o fetiche do uso de couro é algo que extrapola determinados públicos, embora nunca tenha deixado de ser considerado um material ousado, agressivo e fascinante.

Eu amo couro... Eu amo o cheiro... A textura... Eu amo o contato do couro em minha pele nua. Sou capaz de ter orgasmos somente ao andar com o couro roçando minha pele... Eu fico extremamente excitada com a visão do couro... E só de tocá-lo e cheirá-lo tenho orgasmos.


     


 Se desse eu até comeria. Só não como porque acabaria logo e eu me privaria dessa deliciosa sensação entorpecente que o couro me proporciona!

Muito do "appeal" desse incrível material está em ser apertado e brilhante; roupas confeccionadas com couro aumentam a atenção ao seu próprio poder de sensualidade, pois o couro pode ficar agarrado como uma segunda pele... No geral, o fetiche por couro é definido como algo que te "liga" a alguém... Ao transar de couro com alguém vestido de couro, automaticamente os cheiros se misturam e você passa a sentir o cheiro do outro no seu couro e isso é afrodisíaco e estimulante... É uma forma bem intima de conexão! :)




As pessoas têm sentimentos diferentes quando se vestem com couro... Para algumas, vestir-se de couro é uma forma de afirmação, de expressar sentimentos de masculinidade e de poder sexual... A paixão pelas motos e pela independência... Os motociclistas povoam as fantasias de muitas mulheres por causa das suas jaquetas de couro que acompanhadas de tatuagens podem dar um ar de sexo bruto à figura que você que ter na cama... O couro nos leva a pensar sempre em envolvimento em práticas safadas ou fetichismo sexual... Fato!

Para outras pessoas, vestir-se com couro é abusar da feminilidade, da liberdade e de viver fora dos padrões que a nossa sociedade hipócrita impõe... Lembram de Britney Spears com suas botas, franjas e o Rock and Roll sobre uma Harley-Davidson?... Totalmente extasiante, não?... rss

Para a grande maioria no entanto é simplesmente estar na moda... Afinal, apesar de várias peças como botas, espartilhos, calças e outros acessórios de couro ser populares no mundo do fetiche, apenas nos últimos vinte anos elas ganharam espaço no guarda-roupa feminino, graças a estilistas renomados como Jean Paul Gaultier, Claude Montana e Gianni Versace, que as introduziram nas passarelas internacionais e as transformaram em objetos de desejo de consumo entre homens e mulheres.




Os homens também têm seus ícones midiáticos com roupas de couro... Quem pode esquecer-se da mulher-gato dos quadrinhos com aquele visual sexy de ‘a-morte-me-acompanha-mas-o-sexo-é-bom’... O couro é o tipo de roupa que os diretores de cinema dão as personagens que serão Femme’s Fatales... Ou seja, mesmo no caso de mulheres usando essas roupas, o couro sempre quer dizer “risco de sexo violento”...  Não minta para você mesmo... Você curte isso tanto quanto eu, certo?...rss

Any way, o sensual aroma do couro é tendência também nos perfumes femininos!

 Puro fetiche!

Se você acompanha as novidades da perfumaria, já deve saber que em breve chegarão às prateleiras uma onda de perfumes femininos chiquérrimos, sensuais e glamorosos, usando e abusando do fetiche do couro.

Embora a nota seja constante nos perfumes masculinos mais sensuais de todos os tempos, o couro está presente em fragrâncias icônicas, que fizeram e fazem história na perfumaria feminina... Quer um exemplo?

Cuir de Russie e Chanel nº 19, assim como Guerlain Shalimar e Caron Tabac Blond, só para citar alguns aromas históricos do uso do couro em perfumes femininos imortais.

Na verdade pouquíssimas pessoas sabem que o aroma animálico, sensual e almiscarado e um pouco enfumaçado do couro não vem exatamente da matéria prima, mas de substâncias historicamente usadas para tratar o couro, como o tanino e o óleo de bétula, ou mesmo o castoreum, além de similares sintéticos..

 O aroma final também varia, indo do agressivo couro rústico ao sutil e refinado aroma de bolsas caras e das macias jaquetas.

 Por falar em maciez, o suede, ou camurça, também entra na onda, seduzindo com seu toque aveludado… A nota do couro combina bem com flores, laranja e baunilha... Confere ainda um ar de mistério e poder a qualquer fragrância.

Quando mais encorpado, o aroma é decididamente a síntese da mulher poderosa e dominadora... Quando domado, rescende a luxo puro.

Como não amar este objeto do desejo?

Para você ir se apaixonando e liberando a mulher sensual em você, confira algumas sugestões já nas prateleiras de perfumes com couro (alguns que você nem sabia!).

Cacharel Anais Anais, Le Paradis, Carolina Herrera CH, Ed Hardy for Women, Lacoste Femme,

Fan di Fendi, Tommy Hilfiger Tommy Girl, La Praire Life Threads Platinum e D&G La Lune nº 18.

Como podem ver, meus amados, o couro não está apenas nas roupas da moda... As fragrâncias conseguem ser tão fortes e autênticas, assim como o tecido.

Isso posto, afirmo com todas as letras ... O couro nunca sai da moda…e nem da nossa cabeça! :)

Cris_VERDUGO



Adicionar comentário

Pessoas que já deixaram o seu comentário

  • Esse portal é cheio de curiosidades!
    Jamais imaginei que na essência de Anais Anais - Cacharel , houvesse couro!
    Tenho uma linda recordação associada a fragrância desse perfume.
    <3 <3 <3

    0 Curtir